Diário de uma tese em 30 dias #4

Desisti de transcrever os artigos todos. Apercebi-me que o tempo que perderia naquilo não se justificava em termos de resultados, uma vez que o estava a fazer a bem da organização e nada mais.

É isto também fazer uma tese - tentativa e erro - sempre aprendendo.

Acabei por voltar a recorrer às fotografias, desta vez verificando sempre que a coisa ficava direita e com o cuidado de apanhar as partes mais complicadas da dobra. Fica aqui uma imagem para verem do que falo, porque tenho noção que talvez não estejam a ver bem a coisa. 


Os jornais estão encadernados, em conjuntos de vários números, portanto não dá para fazer milagres. Mas lá me orientei. Depois foi (só) editar as imagens, dar uns recortes e colocar tudo por ordem. Demorou imenso tempo e uma vez que me levantei às 8h da manhã, só me apetecia chegar a casa e dormir. Mas aguentei firme no intento e só descansei quando acabei.

Pelo meio descobri um livro que me vai ajudar muito na tese. Fala sobre a censura no Expresso e revela artigos que o lápis azul cortou. A cereja no topo do bolo? Há exemplares na Biblioteca aqui da zona - YEY! Queria tê-los requisitado hoje para amanhã trabalhar em casa, mas não tinha o cartão de utilizador comigo (e ainda bem que estou a escrever isto porque já ia outra vez sem cartão amanhã!!!)

E amanhã é outro dia, às 8h da matina a pé, para ser mais precisa. Ao menos levo a marmita cheia de coisas saudáveis para comer, a ver se controlo a alimentação que tem estado pela hora da morte...

Agora começa a parte difícil - estruturar, escrever, dar corpo à tese. Os inícios são sempre complicados para mim, mas quando começo ninguém me pára!! A ver vamos...

Wish me luck!!
Catarina Vilas Boas


You may also like

Sem comentários :

Digam-me de vossa justiça, revolucionários, obstinados, rebeldes e insurrectos.

Com tecnologia do Blogger.