Tu que me lês

Escrevo hoje no ímpeto feroz de responder ao interesse público. Escrevo para ti. Para te dizer que a vida é curta. É curta. Ponto final...

É curta para quem vive e para quem não vive. É curta para quem realiza todos os seus sonhos e para aqueles que acumulam fracasso atrás de fracasso no envelhecer dos tempos. É curta para quem é feliz e para quem é triste que é, no fundo, a mesma pessoa, porque não há ninguém tão abençoado que seja feliz a vida toda nem ninguém tão azarado que seja sempre triste. 

A vida é curta e nós não vivemos a única certeza de que ela finda. Esquecemo-nos. Perdemos os momentos. Perdemos as pessoas. Perdemos tempo. Eu escrevo hoje não só para te dizer que a vida é curta mas também para te mostrar, a ti que me lês, no hoje abstrato da internet, que pode ser realmente hoje ou daqui a 10 anos: este texto é o sinal de que estavas à espera. Tu que estás desorientado às escondidas de uma luz, Tu que transpiras num dilema e te afundas na dúvida. Tu que estás com medo. Encontraste estas palavras por uma razão. Toma o passo decisivo que te vai desencalhar os dias. Direcciona a tua vida para onde queres que ela vá. Guia-a. A responsabilidade, assim como a vida, é tua! Talvez assim, quando ela acabar, tenhas a sorte de não sentir na pele e na alma o odor acre dos milhões de caminhos que quiseste percorrer e não percorreste. Dá um passo de cada vez. Hoje um, amanhã outro. A caminhada é melhor e mais prazerosa que o destino em si. Esse é só um e é igual para todos.

A vida é curta. Acaba sem dares por isso. Por isso vive... Faz hoje o que nunca fizeste. Perdoa o "imperdoável". Desfaz o não dito que até hoje não te atreveste a dizer. Faz as malas e viaja para o sítio que sempre quiseste conhecer. Abraça os teus amigos. Despede-te desse emprego de merda. Declara-te ao amor impossível. Separa-te desse amor impossível. Sai do armário. Começa a dieta. Tem um filho. Planta uma árvore. Escreve um livro. Diz aos teus pais que os amas. 

Nós somos as experiências e as pessoas inesquecíveis que vivem connosco e dentro de nós. Elas, assim como nós, não vão estar aqui para sempre. Dizem que, quando morres, toda a tua vida passa em flashs, por segundos, em frente aos teus olhos. Faz com que esse seja um filme que tu gostes de ver.


Catarina Vilas Boas


You may also like

Sem comentários :

Digam-me de vossa justiça, revolucionários, obstinados, rebeldes e insurrectos.

Com tecnologia do Blogger.